Tempo de leitura: < 1 minuto

Todos participa do Fórum Brasileiro de Impacto Coletivo

|

Nesta quinta-feira (30), Priscila Cruz (presidente-executiva do Todos Pela Educação) participou do “Fórum Brasileiro de Impacto Coletivo”, uma iniciativa inédita da United Way Brasil aliada à FSG, Aspen Institute e GIFE, com apoio de disseminação e conhecimento do Instituto Sabin, e apoio OEI e Fundación FEMSA. O evento on-line promoveu um espaço para diálogo sobre como transformar o mundo em um espaço mais colaborativo.

Durante sua explanação, Priscila ressaltou a importância da visão sistêmica do Ensino: “não adianta termos a visão de algumas políticas de forma separada, e sim, uma visão que abraça a complexidade. E não há outra forma disso acontecer se não entendendo profundamente a realidade brasileira”. E também ressaltou como o Educação Já, iniciativa do Todos, detalha essa visão, entendendo como várias políticas públicas podem se interligar.

Priscila defendeu que uma avaliação honesta do coletivo dos impactos na Educação e o diálogo com outras políticas é que geram um maior impacto. Em sua visão, as entidades do Terceiro Setor têm entendido muito mais isso para gerar uma verdadeira mudança.

Ao falar sobre a importância de se perceber os reais impactos das políticas públicas e dessa visão sistêmica, colocando monitoramento e avaliação como grandes aliados, Priscila deixou um exemplo: “a escola pública responde à boas políticas públicas, é possível, sim, mudar a Educação brasileira. Para ter um exemplo, de 2007 a 2017, portanto antes da Pandemia, saltamos de 28% de crianças com aprendizagem adequada de Língua Portuguesa para 60%. Isso é o resultado de maior atenção à alfabetização, Fundef que virou o Fundeb, empenho de governos municipais, estaduais e federal e – sempre – monitoramento e avaliação”.

Assista ao painel “Avaliar iniciativas de Impacto Coletivo” do qual Priscila Cruz participou: