Tempo de leitura: 3 minutos

#EducaçãoNaFrente: deputada Tabata Amaral (PDT-SP) quer Educação como prioridade nacional

|

No início de abril foi lançada a Frente Parlamentar Mista da Educação no Congresso Nacional. A associação suprapartidária de deputados federais e senadores (por isso ‘mista’) tem por objetivo pôr em pauta temas cruciais para mudar a qualidade da Educação brasileira. Diferente de Frentes de mandatos anteriores, a atual terá seu trabalho estruturado em 10 comissões focadas em temáticas importantes para a área, como a Educação Técnica e Profissional, coordenada pela deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP). Ela é mais um dos entrevistados na série de entrevistas #EducaçãoNaFrente, do Todos Pela Educação, com a presidente, os vices e os coordenadores da iniciativa.

+LEIA MAIS: FRENTE PARLAMENTAR MISTA DA EDUCAÇÃO É LANÇADA NO CONGRESSO

Todos: O que a Educação representou em sua trajetória pessoal?

Tabata: As oportunidades que eu tive na Educação, seja em forma das competições, das olimpíadas, das bolsas ou, principalmente, dos professores que eu encontrei e acreditaram em mim, me deram a chance de conhecer um mundo completamente diferente, que eu não sabia que existia. A Educação me deu também a oportunidade de saber que eu podia sonhar coisas grandes, que eu podia saltar as barreiras que existem na periferia. Vivi os dois extremos da desigualdade no Brasil e a Educação me mostrou que há um caminho para um País mais inclusivo, mais desenvolvido e ético. Que há um caminho para que periferia e centro estejam mais misturados, um caminho para que qualquer pessoa – independentemente de onde nasceram, da cor da pele, do gênero, da orientação sexual -, possa sonhar o que quiser e ter as mesmas chances e oportunidades na vida.

Todos: Qual sua análise sobre a situação da Educação no Brasil?

Tabata: O Brasil fez um grande trabalho nos últimos anos ao colocar quase toda criança e jovem na escola. Mas, há ainda desafios gigantescos: em qualidade, evasão e abandono, (que continuam crescendo no Ensino Médio), na formação e valorização dos professores ou até quando se trata de financiamento, que ainda é muito desigual. Em resumo, ainda temos uma sociedade muito pouco educada – em que 7 de cada 10 adultos não são plenamente alfabetizados. Nesse cenário de pouco acesso ao ensino de qualidade, a gente tem pela frente o desafio de lutar por algo que as pessoas sequer tiveram oportunidades de conhecer. Conseguiremos mudar isso, na minha visão, quando a Educação entrar na pauta nacional, com um espaço muito maior do que ela tem hoje e com debates focados em questões que, de fato, importam, e não ideológicas.

+CLIQUE E CONHEÇA A INICIATIVA SUPRAPARTIDÁRIA EDUCAÇÃO JÁ!

Todos: Quais são suas expectativas para os trabalhos da Frente Parlamentar Mista da Educação? Que benefícios ela pode trazer para a Educação?

Tabata: Uma das razões que me levaram a querer estar no Congresso, era poder ser parte de uma bancada da Educação tão forte, tão reconhecida, tão conectada com a sociedade, com o mesmo prestígio de outras bancadas que ouvimos falar com mais frequência. Assim, a minha expectativa é justamente que a Frente seja um grupo que saiba colocar as diferenças ideológicas de lado, criar consenso sobre o que importa, dialogar com a sociedade e que seja, de fato, uma alavanca forte, de pressão por uma Educação melhor, dentro do Congresso Nacional. Essa bancada deve ser promotora de políticas públicas voltadas para professores e alunos, e não só para outros interesses que geralmente são mais bem representados.

Todos: Você é coordenador da comissão de Ensino Técnico e Profissional. Qual seu envolvimento com esse assunto e porque ele é importante para o País?

Tabata: Quando a gente tenta olhar só um pouquinho pro futuro, algumas décadas a frente, fica evidente que os maiores problemas que vamos enfrentar serão devido à revolução tecnológica: desemprego em massa, desigualdade crescente e colapsos ambientais. Apesar disso, não estamos preparando nossos líderes, jovens e população como um todo para lidar com esses problemas e estamos muito presos a problemas antigos. Nesse sentido, o Ensino Técnico e Profissionalizante são uma resposta mais do que urgente, não só às mudanças tecnológicas, mas a esse mundo, que é mais dinâmico, que requer habilidades cada vez mais diversas e grande capacidade da gente se reinventar. Por isso, é com muito orgulho e honra, que eu tomo essa tarefa de trazer essa temática, de fato, para o meio do debate nacional, tirando-o do lugar que ele tem hoje, que é de muito pouco destaque.    

  

Conheça os demais integrantes da coordenação da Frente:

Presidente: Deputada Dorinha Seabra (DEM-TO)

Vice-presidente de Educação Superior: Senador Izalci Lucas (PSDB-DF)

Vice-presidente da Educação Básica: Senador Jorginho Mello (PR-SC)

Secretário-geral: Deputado Israel Batista (PV-DF)

Tesoureiro: Tiago Mitraud (Novo-MG)

Coordenação de arranjos federativos de Educação: Deputada Luísa Canziani (PTB-PR)

Coordenação de sistema nacionald e Educação: Deputado Raul Henry (MDB-PE)

Coordenação de financiamento da Educação: Deputado Danilo Cabral (PSB-PE)

Coordenação de formação e valorização dos profissionais da Educação: Deputados João Henrique Caldas (PSB-AL)

Coordenação de Primeira Infância e Educação Infantil: Deputada Paula Belmonte (Cidadania-DF)

Coordenação de Alfabetização e Ensino Fundamental: Deputado Luizão Goulart (PRB-PR)

Coordenação de Ensino Médio: Deputado Idilvan Alencar (PDT-CE)

Coordenação de Ensino Técnico e Profissional: Deputada Tábata Amaral (PDT-SP)

Coordenação de Educação Especial, de Indígenas e de comunidades tradicionais: Deputado Felipe Rigoni (PSB-ES)

Coordenação de Desportos: Deputado Luiz Lima (PSL-RJ)

Your IP Address is:
44.192.38.49